Desigualdade e conjuntura: quatro anos de dados trimestrais da PNAD Contínua (2012-2015)

Fabrício Pitombo Leite

Abstract


Este pequeno artigo trata da evolução da desigualdade de renda no Brasil entre 2012 e 2015, calculada a partir dos microdados trimestrais da PNAD Contínua e utilizando o índice de Gini. Tal análise possibilita identificar um padrão conjuntural para a trajetória da desigualdade, com aderência ao comportamento do mercado de trabalho na maior parte do período, apontando ainda para um aumento da desigualdade no último trimestre de 2015 após um descolamento com relação ao mercado de trabalho para os três primeiros trimestres do mesmo ano.


Keywords


Desigualdade de renda; PNAD Contínua

References


ATKINSON, A. B. (2015), Inequality: what can be done? Cambridge, MA: Harvard University Press.

ATKINSON, A. B.; PIKETTY, T.; SAEZ, E. (2011), “Top incomes in the long run of history”, Journal of Economic Literature, 49(1), p. 3-71.

AZEVEDO, J. P. (2006), “Avaliando a significância estatística da queda na desigualdade no Brasil”, In: BARROS, R. P.; FOGUEL, M. N.; ULYSSEA, G. (orgs.), Desigualdade de renda no Brasil: uma análise da queda recente, v.1. Brasília: IPEA.

BARROS, R. P.; HENRIQUES, R.; MENDONÇA, R. (2000), “Desigualdade e pobreza no Brasil: retrato de uma estabilidade inaceitável”, Revista Brasileira de Ciências Sociais, 15(42), p. 123-142.

CARVALHO, L.; REZAI, A. (2016), “Personal income inequality and aggregate demand”, Cambridge Journal of Economics, 40(2), p. 491-505.

CORSEUIL, C. H.; RAMOS, L. (2015), “Comparação da taxa de desocupação na PNAD Contínua e na PME”, Mercado de trabalho: conjuntura e análise – IPEA, 21(58), p. 19-25.

DAFERMOS, Y.; PAPATHEODOROU, C. (2015), “Linking functional with personal income distribution: a stock-flow consistent approach”, International Review of Applied Economics, 29(6), p. 787-815.

HOFFMANN, R. (1998), Distribuição de renda: medidas de desigualdade e pobreza. São Paulo: Edusp.

HOFFMANN, R. (2001), “Distribuição de renda e crescimento econômico”, Estudos Avançados, 15(41), p. 67-76.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (2014), Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua: notas metodológicas, v. 1. Rio de Janeiro: IBGE.

LEITE, F. P. (2015), “Como o grau de desigualdade afeta a propensão marginal a consumir? Distribuição de renda e consumo das famílias no Brasil a partir dos dados das POF 2002-2003 e 2008-2009”, Economia e Sociedade, 24(3), p. 617-650.

MEDEIROS, M.; SOUZA, P.. H. G. F. (2016), “A estabilidade da desigualdade no Brasil entre 2006 e 2012: resultados adicionais”, Texto para discussão - IPEA, 2170.

MEDEIROS, M.; SOUZA, P. H. G. F.; CASTRO, F. A. (2015), “O topo da distribuição de renda no Brasil: primeiras estimativas com dados tributários e comparação com pesquisas domiciliares (2006-2012)”, Dados – Revista de Ciências Sociais, 58(1), p. 7-36.

PIKETTY, T. (2014), Capital in the Twenty-First Century. Cambridge, MA: The Belknap Press of Harvard University Press.

ROCHA, S. (2012), “O declínio sustentado da desigualdade de renda no Brasil (1997-2009)” EconomiA, 13(3a), p. 629-645.




DOI: http://dx.doi.org/10.33834/bkr.v2i1.50

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Copyright (c) 2016 Fabrício Pitombo Leite

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.